figuras de pensamento Figuras de Pensamento: Eufemismo, Paradoxo, Ironia, Hipérbole ExemplosComo você já deve ter ouvido falar as Figuras de Linguagem podem ser classificadas em: Figuras de Sintaxe, Figuras de Palavras, Figuras de Som e, o tema deste post, Figuras de Pensamento. Apesar de possuírem muitas semelhanças com os outros tipos de figuras de linguagem, as figuras de pensamento são recursos que alteram não apenas a expressão, mas as ideias por trás do que está sendo dito.

Elas são caracterizadas por um desvio na intenção do falante muito usado principalmente em obras literárias para causar um maior impacto no interlocutor. Estão bastante presentes em poemas barrocos cultistas e românticos. Confira as figuras de pensamento, suas definições e exemplos abaixo:

* Hipérbole: Exagero de uma ideia que tem como função enfatizar o conceito. É muito usado na literatura.

Ex: Eu estou morta de fome! (o termo “morta” é usado para enfatizar a fome).

* Antítese: Contraste entre palavras ou ideias opostas não simultâneas.

Ex: “Não existiria som se não houvesse silêncio.” (os termos “som” e “silêncio” são opostos).

* Paradoxo ou Oxímoro: Intensificação da antítese onde são usados termos que se excluem simultaneamente num raciocínio contraditório.

Ex:Liberto-me virando teu escravo!”  (os conceitos de liberdade e escravidão são opostos e usados simultaneamente criando um raciocínio contraditório).

* Eufemismo: Suavização de expressões e ideias consideradas desagradáveis. Tem o objetivo de não chocar o interlocutor quando  trata de temas negativos ou muito fortes.

Ex: Carla não está mais entre nós, ela entregou a alma para Deus! (em lugar de “Carla morreu!”)

* Ironia: Afirmação do oposto que se quer dizer. Trata-se de dizer uma coisa querendo dar a entender o contrário.

Ex: Seu José é um santo, só traiu a esposa umas quinze vezes! (a afirmação de que José é um santo é irônica).

* Gradação: Apresentação progressiva de elementos ou um pensamento (de menor para maior intensidade).

Ex: “Ó não guardes, que a madura idade/Te converta essa flor, essa beleza/Em terra, em cinzas, em pó, em sombra, em nada.” (repare na internsificação dos termos “terra”, “cinzas”, “pó”, “sombra” e “nada”).

* Prosopopeia ou Personificação: Atribuição de características animadas à seres inanimados. Consiste também na atribuição de sentimentos e ações humanas a seres irracionais.

Ex: O Morro dos Ventos Uivantes (a obra de Emily Bronte atribui a capacidade de uivar aos ventos).

* Apóstrofe: Invocação de algo que pode ser real ou imaginário com a finalidade de enfatizar a expressão.

Ex: “Oh, Susana! Não chores por mim!” (na canção o ser invocado é Susana).

* Preterição: Fingir não dizer o que já está sendo dito.

Ex: Nem vou dizer o trabalho que deu conseguir esta rosa! (o trabalho já foi dito).

* Metalepse: Tomar o consequente por antecedente ou o consequente por antecedente.

Ex: Comprei isso com o suor do meu rosto (ao invés de “com o meu esforço”).

 * Alegoria: Expressão que possui além do sentido denotativo (literal), um ou mais sentidos conotativos. É muito usada na retórica religiosa.

Ex: Parábolas bíblicas e Sermões do Padre Antônio Vieira.

Mas e você, o que achou das definições? E dos exemplos? Deixe o seu comentário